Entre quarteirões, ribeiras e igarapés: resistência escrava, fronteiras e espacialidades afro-amazônicas (c.1850-c.1880).

Autores

  • Ygor Olinto Rocha Cavalcante Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas - Campus Coari

DOI:

https://doi.org/10.46752/anphlac.16.2014.1512

Resumo

Neste artigo analisa-se as relações entre a construção de espaços e territórios com base nas experiências de fugitivos escravos, mocambeiros e comunidades quilombolas no processo de resistência à escravidão no Amazonas. Os diversos enfrentamentos no cotidiano da escravidão, envolvendo diferentes sujeitos sociais, está atrelado à definição de fronteiras sociais e espaciais na região. Argumenta-se, assim, que os fugitivos forjaram, nos seus próprios termos, outros limites para as fronteiras nacionais e para os espaços urbanos, na contramão das delimitações impostas pelas políticas de elites e de governos dos Estados Nacionais. Por fim, objetiva, ainda, contribuir para retirar o véu de invisibilidade social que ainda hoje atinge as comunidades remanescentes de quilombo no Amazonas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ygor Olinto Rocha Cavalcante, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas - Campus Coari

Mestre em História Social da Amazônia (UFAM), pesquisador dos grupos de pesquisa Sociedades Amazônicas (IFAM) e Migração e Africanidades Latino-americanas e Caribenhas (UFAM) e Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas - Campus Coari.

Referências

AGASSIZ, Luiz e Elizabeth Cary. Viagem ao Brasil, 1865—1866. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia; São Paulo: USP, 1875.

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. Vida privada e ordem privada no Império. In: NOVAIS, Fernando. (coord.); ALENCASTRO, Luiz Felipe de (org.). História da vida privada no Brasil: Império. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. (orgs.) Caderno de debates Nova Cartografia Social: Territórios quilombolas e conflitos. Manaus: Projeto Nova Cartografia Social da Amazônia/UEA Edições, 2010.

BASTOS, Carlos Augusto. Nas rotas do Grão-Pará e Loreto: Comércio e fugas nas “Amazônias” peruana e brasileira (c. 1840- c. 1870). Anais Eletrônicos do VIII Encontro Internacional da ANPLHAC. Vitória, 2008.

BASTOS, Carlos Augusto. Tabatinga, 28 de maio de 1844: um motim na Fronteira Brasil-Peru. Usos do Passado. Anais do XIV Encontro Regional de História. Rio de Janeiro: ANPUH, 2006.

BEZERRA NETO, José Maia. Historias Urbanas de Liberdade: Escravos em fuga na cidade de Belém, 1860-1888. Afro-Ásia, 28 (2002).

BEZERRA NETO, José Maia. Ousados e insubordinados: protesto e fugas de escravos na Província do Grão Pará, 1840/1860. Topói, Rio de Janeiro, 2001.

CALDEIRA, Newman. À margem da diplomacia: fugas internacionais de escravos do Brasil em direção à Bolívia (1822-1867). Outros tempos, vol. 6, n. 8, dezembro de 2009.

CALDEIRA, Newman. Fronteira Negra: as fugas internacionais de escravos do império do Brasil para a república da Bolívia (1825-1867). Ibero-América Global, vol. 2, n. 1, fevereiro de 2009.

CHALHOUB, Sidney. Medo Branco de Almas Negras: escravos, libertos e republicanos na cidade do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de História. São Paulo, v.8, n.16.

COSTA, Emília Viotti da. Coroas de Glória, Lágrimas de Sangue: a rebelião de Demerara em 1823. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

FARIAS, Juliana B.; GOMES, Flávio dos S.; SOARES, Carlos Eugênio Líbano. No labirinto das nações: africanos e identidades no Rio de Janeiro, século XIX. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

FUNES, Eurípedes A. “Nasci nas matas, nunca tive senhor”: História e Memória dos mocambos no baixo Amazonas. In: REIS, João José & GOMES, Flávio dos Santos (orgs.). Liberdade por um fio: história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

FUNES, Eurípedes A. Mocambos: natureza, cultura e memória. História Unisinos, n. 13, v. 21, maio/agosto 2009.

GENOVESE, Eugene. Da rebelião à revolução: as revoltas de escravos nas Américas. São Paulo: Global, 1983.

GOMES, Flavio dos Santos. Em torno dos bumerangues: outras histórias de mocambos na Amazônia Colonial. Revista da USP, São Paulo, n.28.

GOMES, Flávio. “No labirinto de rios, furos e igarapés”: camponeses negros, memórias e pós-emancipação na Amazônia, c. XIX e XX. História Unisinos, v. 10, n.3, set/dez 2006.

GOMES, Flavio. Etnicidade e fronteiras cruzadas nas Guianas. Estudos Afro-americanos Virtual, nº 2, 2004.

GOMES, Flávio. Histórias de Quilombolas: Mocambos e Comunidades de fugitivos no Rio de Janeiro, século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

GREGÓRIO, Vitor Marcos. O progresso a vapor: navegação e desenvolvimento na Amazônia do século XIX. Nova Economia. Belo Horizonte, n. 19 (1), janeiro-abril de 2009.

HARRIS, Mark. Rebellion on the Amazon. The Cabanagem, Race, and Popular Culture in the North of Brazil, 1798-1840. Cambridge University Press, 2010.

LINEBAUGH, Peter. Todas as montanhas atlânticas estremeceram. Revista Brasileira de Historia, São Paulo, n.3/6, set. 1983.

MACHADO, Maria Helena P.T. Em torno da autonomia escrava: uma nova direção para a Historia Social da Escravidão. Revista Brasileira de História. São Paulo – SP. V.8, n.16, mar.88/ago.88.

MARCONDES, Renato Leite. Desigualdades regionais brasileiras: comércio marítimo e posse de cativos na década de 1870. Ribeirão Preto: Departamento de Economia da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, 2005.

MARCOY, Paul. Viagem pelo rio Amazonas. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2006.

OLIVEIRA, Jane Souto de. “Brasil mostra a tua cara”: imagens da população brasileira nos censos demográficos de 1872 a 2000. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; Escola Nacional de Ciências Estatísticas, 2003.

PARRON, Tâmis. A política da escravidão no Império do Brasil, 1826-1865. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

REGINALDO, Lucilene. Os rosários dos Angolas: irmandades negras, experiências escravas e identidades africanas na Bahia setecentista. Tese (Doutorado em História), Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Campinas, SP, 2005.

RICCI, Magda. Fronteiras da nação e da revolução: identidades locais e a experiência de ser brasileiro na Amazônia (1820-1840). In: Boletin Americanista, Año LVIII, nº 58, Barcelona, 2008.

RUSSEL-WOOD, A. J. R. Escravos e libertos no Brasil Colonial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

SAMPAIO, Patrícia Melo. Escravidão e Liberdade na Amazônia: notas de pesquisa sobre o mundo do trabalho indígena e africano. 3° Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional Anais [do] II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional [recurso eletrônico] / 2005.

SANTOS, Ynaê Lopes. Além da Senzala: arranjos escravos de moradia no Rio de Janeiro (1808-1850). Dissertação (Mestrado em História Social), Universidade de São Paulo, 2006.

SOARES, Luiz Carlos Os escravos de ganho no Rio de Janeiro do século XIX. Revista Brasileira de Historia. São Paulo, v.8, n.16, mar.88/ago.88.

THOMPSON, Edward. Costumes em Comum: estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

THOMPSON, Edward. Senhores e Caçadores: a origem da lei negra. Rio de janeiro: Paz e Terra, 1987.

Downloads

Publicado

2014-08-18

Como Citar

Cavalcante, Y. O. R. (2014). Entre quarteirões, ribeiras e igarapés: resistência escrava, fronteiras e espacialidades afro-amazônicas (c.1850-c.1880). Revista Eletrônica Da ANPHLAC, (16), 26-56. https://doi.org/10.46752/anphlac.16.2014.1512