Os robôs de Asimov e o futuro da humanidade

Autores

  • Andreya Susane Seiffert Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.46752/anphlac.24.2018.2877

Resumo

O presente artigo discute contos sobre robôs escritos e publicados entre 1940 e 1950 por Isaac Asimov e reunidos no livro Eu, robô (1950). Nessas histórias, o escritor de ficção científica procurou imaginar como se daria a inserção de robôs no mundo, sua evolução e as interações com os seres humanos. Para proteger a humanidade da sua criação, Asimov inventou as três leis da robótica, sendo a primeira e mais forte a de que um robô não pode ferir um ser humano. Asimov, com muita precisão, especulou sobre máquinas criando máquinas cada vez mais complexas, o que é hoje chamado de singularidade. Ao contrário de autores que interpretam essa questão como sendo o possível fim da humanidade, Asimov vislumbrou aplicações positivas para essas super inteligências e criou até mesmo um novo sistema econômico mundial através delas. O futuro criado por Asimov partiu de referências do seu próprio tempo e também da história americana – muitos críticos consideram o tratamento dado aos robôs nas histórias como uma metáfora da escravidão dos Estados Unidos e até mesmo da homofobia das décadas de 1940 e 1950. Assim, a literatura, e mais especificamente a ficção cientifica, mostra-se como uma fonte de pesquisa riquíssima para explorar as relações entre passado, presente e futuro, entre história e ficção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andreya Susane Seiffert, Universidade de São Paulo

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em História Social na Universidade de São Paulo (USP).

Referências

ASIMOV, Isaac. Eu, robô. São Paulo: Aleph, 2014.

______. Fundação. São Paulo: Aleph, 2009.

CHENG, John. Astounding Wonder: Imagining science and science fiction in interwar America. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 2013.

HARAWAY, Donna. Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: HARAWAY, Donna; KUNZRU, Hari; TADEU Tomaz (Orgs.). Antropologia do ciborgue: As vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

HIGONNET, Patrice. Paris: Capital of the world. Cambridge: Harvard University Press, 2002.

JAMESON, Fredric. Progress versus utopia: Or, can we imagine the future? Science Fiction Studies. Vol. 9, n. 2, jul. 1982, p. 147-158. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/4239476 Acesso em: 01/06/2014.

KAKOUDAKI, Despina. Anatomy of a Robot: Literature, Cinema and the Cultural Work of Artificial People. New Brunswick: Rutgers University Press, 2014.

KILGORE, De Witt Douglas. Difference Engine: Aliens, Robots, and Other Racial Matters in the History of Science Fiction. Science Fiction Studies, Vol. 37, No. 1 (March, 2010), p. 16-22. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/40649582 Acesso em: 16/05/2017.

KNIGHT, Damon. The Futurians. Gollancz (eBook), 2013.

LOWENTHAL, David. Como Conhecemos o Passado. In: Projeto História 17: Trabalhos da São Paulo: EDUC/FAPESP, 1998. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/11110/8154 Acesso em: 15/04/2015.

MERRIL, Judith. Better to have loved: The life of Judith Merril. Toronto: Between the Lines, 2002.

SUVIN, Darko. Positions and Pressupositions in Science Fiction. London: MacMillan Press, 1988.

VINGE, Vernor. The Coming Technological Singularity: How to Survive in the Post-Human Era. In: Vision-21: Interdisciplinary Science and Engineering in the Era of Cyberspace, G. A. Landis, ed., NASA Publication CP-10129, p. 11–22, 1993. Disponível em: http://mindstalk.net/vinge/vinge-sing.html Acesso em: 13/05/2017.

WEBBER, Michelle. His Campaign for the Mayoralty was Certainly the Queerest in History!: Homosexual Representation in Isaac Asimov’s “Evidence”. Disponível em: https://www.thetunnelsmagazine.com/webber-criticism-1-1 Acesso em: 19/05/2017.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2018-07-11

Como Citar

Seiffert, A. S. (2018). Os robôs de Asimov e o futuro da humanidade. Revista Eletrônica Da ANPHLAC, (24), 374-393. https://doi.org/10.46752/anphlac.24.2018.2877