As ditaduras civis-militares e os dilemas entre lembrar e esquecer: a representação dual entre Brasil e Argentina.

Autores

  • Pâmela de Almeida Resende Universidade de São Paulo (USP)
  • Marcos Oliveira Amorim Tolentino Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

DOI:

https://doi.org/10.46752/anphlac.18.2015.2300

Resumo

O objetivo deste artigo é problematizar uma noção comumente aceita de a Argentina seria o “país da memória”, enquanto o Brasil é o “país do esquecimento”, devido às políticas públicas desenvolvidas em cada país frente aos legados das recentes ditaduras civis-militares. Para além do senso comum que pontua uma oposição excludente entre memória e esquecimento, há uma tentativa de separação de duas maneiras de agir na política: aquela que propõe “virar a página” em nome da chamada reconciliação nacional; e aquela que não pode esquecer sem conhecer, esclarecer e promover o nunca mais. Para tanto, abordaremos as medidas reparatórias adotadas pelos respectivos Estados nos últimos anos nos dois países, de maneira a demonstrar que memória e esquecimento, mais do que uma simples dualidade, conformam os relatos sobre as ditaduras produzidas nos dois países, assim como a relação que hoje tanto Estado quanto a sociedade civil estabelecem com o passado ditatorial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pâmela de Almeida Resende, Universidade de São Paulo (USP)

Mestra em História Social pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Doutoranda em História pela Universidade de São Paulo (USP), onde desenvolve pesquisa intitulada “Quatro dias em setembro: o sequestro do embaixador Charles Elbrick e as negociações entre Brasil e EUA” sob orientação da Profa. Dra. Elizabeth Cancelli. Endereço para correspondência: Rua Francisco Ianni, 100. Jardim Ubirajara, São Paulo. Cep: 04458090. Email: pamelaresende@yahoo.com.br.

 

Marcos Oliveira Amorim Tolentino, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Mestre em História na área de Política, Memória e Cidade pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Doutorando em História na mesma universidade, onde desenvolve pesquisa intitulada “Porque temos memória, sabemos a verdade, exigimos justiça. A inserção dos sobreviventes dos centros clandestinos de detenção no movimento argentino pelos direitos humanos (1984-2014)” sob orientação do Prof. Dr. José Alves de Freitas Neto. Órgão financiador: CNPq. Endereço para correspondência: Rua Praia de Mar Grande, quadra 15, lote 07. Villas do Atlântico, Bahia. Cep: 42700000. Email: marcosoat@hotmail.com

Referências

ABRÃO, Paulo. 24a Caravana Anistia Camponeses do Araguaia. Boletim da Comissão de Anistia – Ministério da Justiça, ano III, n. 36, jul. 2009.

ABRÃO, Paulo; TORELLY, Marcelo. “O programa de reparações como eixo estruturante da justiça de transição no Brasil”. In: Justiça de transição: manual para a América Latina. Brasília: Comissão de Anistia, Ministério da Justiça ; Nova Iorque: Centro Internacional para a Justiça de Transição, 2011.

ALTAMIRANO, Carlos. “Pasado presente”. In: YAKLEVICH, Pablo (comp.) [et.al.]. Argentina, 1976. Estudios en torno al golpe de estado. Buenos Aires: FCE, 2008

ARAÚJO, Maria Paula. Memória, testemunho e superação: história oral da anistia no Brasil. História Oral, v. 15, n. 2, p. 11-31, jul.-dez. 2012.

BARRERA, Laureano. “El juzgamiento a la represión ilegal: qué juicios habrá este año”. Infojus Noticias, 06 jan. 2015. Disponível em: http://www.infojusnoticias.gov.ar/nacionales/el-juzgamiento-a-la-represion-ilegal-que-juicios-habra-este-ano-7033.html (Última verificação em: 25/01/2015).

BAUER, Caroline S. Brasil e Argentina: ditaduras, desaparecimentos e políticas de memória. Porto Alegre: Medianiz, 2012.

BISQUERT, Jacquelina & LVOVICH, Daniel. La cambiante memoria de la dictadura: discursos públicos, movimientos sociales y legitimidad democrática. Buenos Aires: Biblioteca Nacional, 2008

BRASIL, Vera Vital. “Dano e reparação no contexto da Comissão da Verdade: a questão do testemunho”. In: Revista Anistia Política e Justiça de Transição. Brasília: Ministério da Justiça, n. 6, 2012.

BRITO, Alexandra Barahona de. “Justiça transicional e a política da memória: uma visão global”. In: Revista Anistia Política e Justiça de Transição. Brasília: Ministério da Justiça, n. 1, 2009.

BULLENTINI, Ailín. “La desaparición de López, ante la CIDH”. Página/12, 07 maio 2014. Disponível em: http://www.pagina12.com.ar/diario/elpais/1-245670-2014-05-07.html (Verificado em: 28/01/2015).

CALVO, Adriana. “No a la impunidad de ayer y de hoy”. Página/12 24 mar. 2011. Disponível em: http://www.pagina12.com.ar/diario/especiales/subnotas/18-38955-2009-03-24.html (Verificado em: 28/01/2015).

COMISSÃO DE FAMILIARES DE MORTOS E DESAPARECIDOS POLÍTICOS; IEVE. Dossiê ditadura: mortos e desaparecidos políticos no Brasil (1964-1985). São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2009.

CONGRESSO NACIONAL. Comissão Mista sobre Anistia. Anistia. Brasília: [Centro Gráfico do Senado Federal], 1982, 2 v.

Da SILVA CATELA, Ludmila. “Pasados en conflicto. De memorias dominantes, subterráneas y denegadas”. In: BOHOLAVSKY, Ernesto [et.al.]. Problemas de la historia reciente del Cono Sur. Volumen I. Buenos Aires: Prometeo, 2010

“ESMA: ‘diez años después la lucha no está terminada’”. Infojus Notícias, 25 mar. 2014. Disponível em: http://infojusnoticias.gov.ar/nacionales/esma-diez-anos-despues-la-lucha-no-esta-terminada-3561.html (Verificado em: 25/01/2015).

FERREIRA BASTOS, Lucia Elena Arantes. A anistia brasileira em comparação com as da América Latina: uma análise na perspectiva do direito internacional. TELES, Edson; TELES, Janaína de Almeida (org.). Desarquivando a ditadura: memória e justiça no Brasil, v. II. São Paulo: HUCITEC, 2009.

FICO, Carlos. A negociação parlamentar da anistia de 1979 e o chamado ‘perdão aos torturadores’. Revista Anistia Política e Justiça de Transição. Brasília: Ministério da Justiça, 2011, v. 4

GINZBERG, Victoria. “Por los derechos del pasado y del futuro”. Página/12, 16 maio 2012. Disponível em: http://www.pagina12.com.ar/diario/elpais/1-194151-2012-05-16.html (Última verificação em: 25/01/2015)

GONÇALVES, Daniele Nilin. O preço do passado: anistia e reparação de perseguidos políticos no Brasil. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

GRECO, Heloísa Bizoca. Dimensões fundacionais da luta pela anistia. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2003.

“Homenajearon a Hebe de Bonafini en el Museo Malvinas de la Ex Esma”. TÉLAM, 20 dez. 2014. Disponível em: http://www.telam.com.ar/notas/201412/89576-homenajearon-a-hebe-de-bonafini-en-el-museo-malvinas-de-la-ex-esma.html (última verificação em: 25/01/2015).

JELIN, Elizabeth. Los trabajos de la memoria. Buenos Aires: Siglo XXI, 2002a.

______________. (comp.). Las conmemoraciones: las disputas en las fechas “in-felices”. Madrid: Siglo XXI, 2002b.

______________. “¿Víctimas, familiares o ciudadano/as? Las luchas por la legitimidad de la palabra”. In: CRENZEL, Emilio (coord.). Los desaparecidos en la Argentina: memorias, representaciones e ideas: 1983-2008. Buenos Aires: Biblos, 2010.

KIRALY, Letícia. “Encontro Internacional sobre impacto da ditadura reúne especialistas na Capital”. Portal do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 14. Nov. 2014. http://www.rs.gov.br/conteudo/207132/encontro-internacional-sobre-impacto-da-ditadura-reune-especialistas-na-capital (Verificado em 24/01/2015).

LA RETAGUARDIA. “Informe Especial: el proyecto de nuevo museo em la ESMA y las voces de los sobrevivientes”. La Retaguardia, 31 jan. 2014. Disponível em: http://www.laretaguardia.com.ar/2014/01/informe-especial-el-proyecto-de-nuevo.html (Verificado: 28/01/2015).

LANTOS, Nicolás. “‘Que nos explique cuál es el proyecto’”. Página/12, 14 Dez. 2014. Disponível em: http://www.pagina12.com.ar/diario/elpais/1-261948-2014-12-14.html (Verificado em 25/01/2015).

MANNARINO. Juan Manuel. “Las nuevas líneas de investigación que se abren en los juicios de lesa”. Infojus Noticias, 06 jan. 2015. Disponível em: http://www.infojusnoticias.gov.ar/nacionales/las-nuevas-lineas-de-investigacion-que-se-abren-en-los-juicios-de-lesa-7037.html (Última verificação em: 25/01/2015).

MEMORIA ABIERTA. Abogados, derecho y política. Buenos Aires: Memoria Abierta, 2010

MEYER, Adriana. “‘Antes de abrir la boca, abramos la cabeza”. Página/12, 11 dez. 2010. Disponível em: http://www.pagina12.com.ar/diario/elpais/1-158496-2010-12-11.html (Verificado em: 25/01/2015).

MEZAROBBA, Glenda. Um acerto de contas com o futuro – a anistia e suas consequências: um estudo do caso brasileiro. São Paulo: Humanitas/Fapesp, 2006.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Revista Anistia Política e Justiça de Transição, n. 1. Brasília: Ministério da Justiça, jan.-jun. 2009.

NEPOMUCENO, Eric. “Direitos humanos e a verdade: lições que não quisemos aprender”. Carta Capital, 03. Out. 2011. http://cartamaior.com.br/?%2FEditoria%2FDireitos-Humanos%2FDireitos-humanos-e-a-verdade-licoes-que-nao-quisemos-aprender%0D%0A%2F5%2F17748 (Verificado em 24/11/2015).

PAPALEO, Cristina. “Argentina é considerada exemplo na luta contra a impunidade”. Deutsche Welle, 30. Nov. 2011. http://www.dw.de/argentina-%C3%A9-considerada-exemplo-na-luta-contra-a-impunidade/a-15564399 (Verificado em 24/01/2015)

PIQUÉ, Martín. “‘No han sufrido castigo alguno’”. Página/12, 25 mar. 2006. Disponível em: http://www.pagina12.com.ar/diario/elpais/1-64719-2006-03-25.html (Última verificação em: 25/01/2015).

PRENSA HIJOS. “8 años sin Lopez”. Disponível em: http://hijosprensa.blogspot.com.br/2014/09/a-8-anos-sin-lopez.html (Verificado em: 28/01/2015).

PRENSA HIJOS. “Haciendo la plancha. Balance 2014 de los juicios a los Genocidas”. Disponível em: http://hijosprensa.blogspot.com.br/2014/11/haciendo-la-plancha.html (Verificado em: 28/01/2015).

PRENSA HIJOS. “Museo del Casino de Oficiales de la ESMA. La Disneylandia de Fresnada y Parrilli”. Disponível em: http://hijosprensa.blogspot.com.br/2014/01/museo-del-casino-de-oficiales-de-la-esma.html (Última verificação em: 28/01/2015).

PRESIDENCIA DE LA NACIÓN ARGENTINA. “Acto por el 31º aniversario de la Democracia y Día Internacional de los Derechos Humanos: Palabras de la Presidenta de la Nación”. Disponível em: http://www.presidencia.gob.ar/discursos/28270-acto-por-el-31o-aniversario-de-la-democracia-y-dia-internacional-de-s-derechos-humanos-palabras-de-la-presidenta-de-la-nacion (Verificado em 25/01/2015).

RESENDE, Pâmela de Almeida. Os vigilantes da ordem: a cooperação DEOPS/SP e SNI e a suspeição aos movimentos pela anistia. Dissertação de mestrado. UNICAMP: Campinas, 2013.

RODEGHERO, Carla Simone; DIENSTMANN, Gabriel; TRINDADE, Tatiana. Anistia ampla, geral e irrestrita: história de uma luta inconclusa. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2011.

VALES, Laura “Un hijo en la Secretaría de Derechos Humanos”. Página/12, 16 maio 2012. Disponível em: http://www.pagina12.com.ar/diario/elpais/1-194048-2012-05-15.html (Última verificação: 28/01/2015).

TELES, Edson. Brasil e África do Sul: os paradoxos da democracia. Memória política em democracias com herança autoritária. Tese (Doutorado em Filosofia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP, São Paulo, 2007.

TELES, Janaína. As disputas pela interpretação da Lei de Anistia de 1979. Revista Ideias, Campinas (SP), n. 1, p. 71-93, 2010.

TRINDADE, Tatiana. O papel materno na resistência à ditadura: o caso das mães de Flávio Tavares, Flávio Koutzii e Flávia Schilling. Monografia de conclusão de curso. Departamento de História. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

YACCAR, María Daniela. “Al piano, en la Casa Rosada”. Página/12, 14 Dez. 2014. Disponível em: http://www.pagina12.com.ar/diario/elpais/1-261946-2014-12-14.html (Verificado em 25/01/2015).

ZAVERUCHA, Jorge. “Justiça de transição”. Folha de São Paulo, São Paulo, 13. Jan. 2010. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz1301201008.htm?mobile (Verificado em 24/01/2015).

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2015-08-04

Como Citar

de Almeida Resende, P., & Oliveira Amorim Tolentino, M. (2015). As ditaduras civis-militares e os dilemas entre lembrar e esquecer: a representação dual entre Brasil e Argentina. Revista Eletrônica Da ANPHLAC, (18), 251-286. https://doi.org/10.46752/anphlac.18.2015.2300