Cartas da Revolução Cubana: Reinaldo Arenas antes do exílio Mariel

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46752/anphlac.24.2018.2950

Resumo

Este artigo se propõe a investigar a correspondência do escritor e poeta cubano Reinaldo Arenas (1943-1990) com seus amigos Jorge e Margarita Camacho, entre os anos 1967-1980, objetivando compreender a dinâmica de sua experiência nas duas primeiras décadas da Revolução Cubana. Arenas foi um intelectual censurado e perseguido por ser homossexual e pelo teor de seus escritos. Nesse período, atuou politicamente contra o autoritarismo por meio da escrita epistolar clandestina. Através de algumas de suas cartas, busca-se explorar os aspectos do pensamento político do escritor, seus posicionamentos, sua subjetividade, as ideias e os sentidos que produziu em relação às políticas revolucionárias, apontando o alcance e os limites das mesmas. Pretende-se, dessa forma, contribuir com as investigações sobre a trajetória do escritor antes de seu exílio pelo porto Mariel em 1980, bem como ressaltar a importância dessas fontes para a historiografia sobre o período, além de aprofundar a compreensão do contexto revolucionário no que se refere à relação entre os intelectuais e a revolução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Luiz Teixeira Ribas, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes

Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) da Universidade Estadual de Montes Claros (Brasil, Minas Gerais). Área de Concentração: História da América Latina.

Referências

ALBUQUERQUE, JR. Durval Muniz de. Grito, logo existo: corpo, violência e Estado de Exceção. In: TORNQUIST, Carmen Susana et al. (Orgs.). Leituras de resistência: corpo, resistência e poder. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2009.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ARENAS, Reinaldo. Antes que anoiteça. Rio de Janeiro: Record, 1995.

ARENAS, Reinaldo. El mundo alucinante: (Una novela de aventuras). Madrid, España: Letras Hispánicas, 2017.

ARENAS, Reinaldo. Otra vez el mar. Barcelona: Editorial Tusquets, 2015.

ARENAS, Reinaldo. Cartas a Margarita y Jorge Camacho (1967-1990). Sevilla: Editorial Point de Lunettes, 2010.

ARENDT, Hannah. Sobre a natureza do totalitarismo: uma tentativa de compreensão. In: ARENDT, Hannah. Compreender: Formação, exílio e totalitarismo (ensaios). São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

AVIVA, Chomsky. História da Revolução Cubana. São Paulo: Veneta, 2015.

BACZKO, Bronislaw. A imaginação social. In: LEACH, Edmund et al. Anthropos-Homem. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1985.

BARRETO, Teresa Cristófani. A libélula, a pitonisa: Revolução, homossexualismo e literatura em Virgílio Piñera. São Paulo: Ed. Iluminuras, 1996.

BARQUET, Jesús J. Generación Mariel. Revista Encuentro de la Cultura Cubana, 8/9, La Habana, primavera/verano de 1998. Disponível em: https://www.cubaencuentro.com/revista/revista-encuentro/archivo/8-9-primavera-erano-de-1998/(filter)/index Acesso em: 29/11/2017.

BEJEL, Emilio. Cuerpos peligrosos en una nación de héroes. Revista Encuentro de la Cultura Cubana, 41/42, La Habana, verano/otoño de 2006. Disponível em: https://www.cubaencuentro.com/revista/content/download/46034/399715/version/2/file/4142eb76.pdf Acesso em: 29/11/2017.

BOTOSO, Altamir. O realismo maravilhoso no romance O mundo alucinante, de Reinaldo Arenas. RevLet - Revista Virtual de Letras, v. 03, nº 01, jan./jul., 2011. Disponível em: http://www.revlet.com.br/artigos/84.pdf Acesso em: 29/11/2017.

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

COYULA, Mario. El Trinquenio Amargo y la ciudad distópica: autopsia de una utopía. Revistas UNAM, v. 14, n. 56. Disponível em: http://www.revistas.unam.mx/index.php/ archipielago/article/view/19944 Acesso em: 29/11/2017.

COSTA, Adriane Vidal. Intelectuais, política e literatura na América Latina: o debate sobre revolução e socialismo em Cortázar, García Márquez e Vargas Llosa (1958-2005). (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento de História, Belo Horizonte, 2009. 413 p.

FERNÁNDEZ, Ana Casado. Reinaldo Arenas: una voz desde el margen y la resistencia. Revista de pensamiento, crítica y estudios literários latino-americanos. Mitologias hoy, v. 2, 2015, p. 205-221.

FIGUEIREDO, Luís Cláudio. A militância como modo de vida: um capítulo na história dos (maus) costumes contemporâneos. Cadernos de Subjetividade / Núcleo de Estudos e Pesquisas da Subjetividade do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da PUC-SP, v. 1, n. 2 (1993). São Paulo, 1993, p. 205-216.

FORNET, Ambrosio. El Quinquenio Gris: revisitando el término. Revista de la Casa de las Américas, no 246, 2007, p. 3-16.

FOUCAULT, Michel. A escrita de si. In: FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Lisboa: Passagens. 1992.

GOMES, Angela de Castro. Escrita de si, escrita da história: a título de prólogo. In: GOMES, Angela de Castro (Org.). Escrita de si, escrita da história. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

GUEVARA, Ernesto. O Socialismo e o Homem em Cuba. In: Textos políticos. São Paulo: Centro Editorial Latino Americano, 1980.

MADERO, Abel Sierra. Sexualidades disidentes en el siglo XIX en Cuba. E.I.A.L., Vol. 16, no 1, 2005. Fundación Fernando Ortiz, Cuba.

MASEDA, Hector. Los trabajos forzados en Cuba. Dossier El Presidio Político en Cuba. Revista Encuentro de la cultura Cubana, p. 24-27, 2001. Disponível em: http://arch1.cubaencuentro.com/pdfs/20/20hm225.pdf Acesso em: 29/11/2017.

MISKULIN, Sílvia Cezar. 1968 em Cuba: mudanças na política internacional e na política cultural. Revista Esboços, v. 15, n. 20, 2008, p. 47-66.

MISKULIN, Sílvia Cezar. Os intelectuais cubanos e a política cultural da Revolução (1961-1975). São Paulo: Alameda, 2009.

MISKULIN, Sílvia Cezar. História, literatura e homossexualidade em Cuba: o caso de Virgílio Piñera. In: COSTA, Adriane Vidal; BARBO, Daniel (Orgs.). História, Literatura e Homossexualidade. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013.

PANICHELLI-BATALLA, Stéphanie. La pentaginia de Reinaldo Arenas: un conjunto de novelas testimoniales y autobiográficas. (Tese Doctoral) Universidad de Granada, Departamento de Filologia Española, Granada, 2005, 675 p.

RAGO, Luzia Margareth. Introdução: Balizas. In: RAGO, Luzia Margareth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas: Editora da Unicamp, 2013, p. 23-60.

RESOLUÇÕES do Primeiro Congresso Nacional de Educação e Cultura, São Paulo: Livramento, 1980.

ROBAINA, Tomás Fernández. Los homosexuales y la Revolución. Revista Encuentro de la Cultura Cubana, 37/38, La Habana, verano/otoño de 2005. Disponível em: https://www.cubaencuentro.com/revista/revista-encuentro/archivo/37-38-verano-otono-de-2005/los-homosexuales-y-la-revolucion-28499 Acesso em: 28/11/2017.

ROJAS, Rafael. Anatomia do entusiasmo: cultura e revolução em Cuba (1959-1971). Tempo Social, v. 19, n. 1, 2007. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ts/article/ view/12535 Acesso em: 20/04/2018.

SPINK, Mary Jane P.; MEDRADO, Benedito. Produção de Sentido no Cotidiano. In: SPINK, Mary Jane (Org.). Práticas discursivas e produção de sentido no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. Centro Edelstein de Pesquisas Sociais. São Paulo: Editora Cortez, 2013, p. 22-41.

SCOTT, Joan W. A invisibilidade da experiência. Projeto História, São Paulo, (16), fev. 1998, p. 297-325.

SELIGMAN-SILVA, Márcio. Introdução. In: SELIGMAN-SILVA, Márcio (Org.). História, Memória, Literatura: O testemunho na era das catástrofes. Campinas: Editora da Unicamp, 2003, p. 7-44.

SIRINELLI, Jean-Fraçois. Os intelectuais. In: RÉMOND, René. Por uma História Política. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003, p. 231-269.

TEIXEIRA, Rafael Saddi. O ascetismo revolucionário do Movimento 26 de Julho: o sacrifício e o corpo na Revolução Cubana (1952 a 1958). Tese (Doutorado) -Universidade Federal de Goiás, Faculdade de História, Goiânia, 2009.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. São Paulo: Editora Perspectiva, 1975.

VASCONCELOS, Joana Salém. Trabalho voluntário e socialismo nos canaviais cubanos: uma história da safra de 1970. Revista Eletrônica da ANPHLAC, nº 21, Jul./Dez., 2016, p. 34-65.

YOUNG, Allen. Los gays bajo la revolución cubana. Madrid: Playor, 1984.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2018-07-11

Como Citar

Teixeira Ribas, J. L. (2018). Cartas da Revolução Cubana: Reinaldo Arenas antes do exílio Mariel. Revista Eletrônica Da ANPHLAC, (24), 219-252. https://doi.org/10.46752/anphlac.24.2018.2950